Katakolon, o primeiro passo a Olímpia

Katakolon é sem dúvida o primeiro passo a Olímpia, ou, o berço das olimpíadas. Nossa chegada ao portinho foi de cruzeiro e já lá de cima é possível ver várias lojinhas que se espalham por todo o centrinho. Ao lado de onde o navio para há uma prainha para quem quer somente tomar um banho de sol e se refrescar nas aguas geladas daqui. E se por acaso estiver se perguntando sobre o local onde tudo começou, então vamos a ele agora!!

(Praia em Katakolon – Grécia)

OLÍMPIA

Se o centrinho com restaurantes e lojinhas não agradou e o Olímpia é a atração principal, então vamos a ela e vamos começar com a seguinte informação: SÃO SÓ 40 quilômetros até lá!! Consegue imaginar que são 40 minutinhos até o berço das olimpíadas?

(Tempo curto de um local a outro – Katakolon – Grécia)

Pois bem, como estávamos de navio e a ideia de ficar preso ao horário da excursão não agradava veio a ideia de ir de taxi. Foi a melhor coisa, pois o motorista já acostumado nos deu um guia turístico em inglês (vale lembrar que um guia turístico vem com o informativo e o guia de turismo é a pessoa que estará responsável pelo seu passeio), que nos valeu o passeio já que nos guiou super bem no parque arqueológico e o motorista ainda nos esperou lá fora para voltarmos ao navio.

(Museu de Olímpia – Grécia)

O valor para entrar no sitio arqueológico gira em torno de 10 a 12 euros (estamos falando de memória já que não guardamos o ticket), e se puder escolher uma boa época do ano para visitar fuja do verão e do inverno. O verão traz consigo um calor insuportável e mesmo com algumas arvores que possam oferecer sombra a quantidade de pessoas será maior que a comodidade da sombrinha, e no inverno fica muito frio e pode ser que não consiga desfrutar tão bem assim, logo vá nas estações que sobraram e curta o local com menos turistas e com um clima super agradável.

(Olímpia – Grécia)

Entre ruinas e algumas restaurações o sitio é parte do patrimônio mundial da humanidade da UNESCO. Em nossos posts sempre fazemos alguma alusão a UNESCO e como tem sido importante a preservação cultural desses locais para nós, a humanidade.

Alguns jogos deram início a era dos famosos jogos olímpicos, entre eles estão: a corrida, salto, arremesso de disco, corridas a cavalo, lutas gregas e claro todos cultuando os deuses gregos, principalmente o todo poderoso Zeus.

Ao caminhar irá ver algumas ruinas bem interessantes como o espaço para a maioria desses eventos esportivos, com uma entradinha em arco ainda de pé e um longo campo de areia que dá ideia exata de como eram traçados alguns desses esportes.

(Olímpia – Grécia)
(Olímpia – Grécia)

Outro monumento que vale a pena passar e conferir é o Templo a Zeus! A estrutura conta com a base, ainda viva, de seis colunas na parte da frente e treze nas laterais. Como a base ainda está preservada, foi restaurada então uma coluna para que se possa ter ideia da grandiosidade do templo. A história nos conta que o monumento contava com uma estátua do deus com aproximadamente 13 metros em puro marfim. Grandioso, para o deus dos deuses, não é mesmo? Ah, vale lembrar que: ESSE TEMPLO JÁ FOI CONSIDERADO UMA DAS 7 MARAVILHAS DO MUNDO ANTIGO.

O sitio é grande e a locomoção é muito boa para todas as idades! Lembre-se da dica da época do ano, pois realmente parece que estamos entre o 8 e o 80 quando se trata de intensidade de temperatura. Leve o vovô e o filhinho e curta cada momento.

MUSEU ARQUEOLÓGICO DE OLÍMPIA

Nesse museu, que fica na área do sitio arqueológico, é possível ver inúmeras peças e artefatos encontrados da época dos jogos, incluindo estatuas que adornavam o Templo de Zeus. Esse pedacinho da história sofreu muito desgaste ao longo dos anos incluindo terremotos, tormentas e muitas guerras, muitas mesmo. Os próprios romanos quando passaram por aqui não perdoaram e não tiveram clemencia com muitas das esculturas e colunas.

(Templo de Zeus – Olímpia – Grécia)

Aqueles 12 euros que foram pagos logo na entrada valem para as três atrações: sítio arqueológico, museu arqueológico e museu da história dos jogos olímpicos da antiguidade. Os valores mudam de acordo com a época do ano, então antes de ir procure saber direitinho os valores para não ter sustos.

(Olímpia – Grécia)
(Olímpia – Grécia)

Para quem quiser procurar as datas e valores vamos deixar um atalho, aqui.

Vale a pena passear por tudo, mas como trabalhávamos a bordo o passeio foi mais curtinho.

RESUMO DA HISTORIA

Foi inesquecível pisar em Olímpia, onde tudo começou! Saber que grandes nomes estiveram aqui. Não tocar em quase nada para preservar, mas ao mesmo tempo colocar a mão naquele chão que tem uma energia grandiosa. Foi uma experiência incrível e acredito que seja também para quem não se importe tanto com o evento nos dias atuais. Saber lidar com as oportunidades que a vida nos dá é o principal e caminhar por aqui foi uma das melhores sensações que já tive. E como antes de vir puder ler um pouco sobre o local vou deixar um breve histórico.

A melhor parte de pensar em um evento tão grande é imaginar que as cidades-estados da época paravam suas guerras e comprometimentos políticos para que os jogos pudessem ser realizados. Só nesse ponto já vale repensar se vai querer mesmo não passar aqui por aqui, afinal foi um lugar de disputas sim, mas também de paz.

Um nome importantíssimo: Fídias. Esse foi o escultor da estátua de Zeus aproximadamente no século V a.c. em tomou 8 anos para que fosse finalizada. Seu trabalho tinha como base alguns dos signos mais representativos do deus dos deuses, como a representação da deusa da vitória, Nike, a mão direita, uma esfera com uma águia a mão direita e a testa franzida, que como os gregos temiam, fazia tremer o olimpo. O triste fim para essa belíssima estatua foi ter sido quebrada após um terremoto em Istambul, no século V d.c.. 

Entre o início dos jogos e os dias atuais tivemos os romanos que praticamente selaram os jogos no séculos V, e um nome muito importante para a retomada do evento, e que possivelmente não fazia ideia da grandiosidade do que estaria por vir, que no século XIX teve papel fundamental pra história, Barão de Coubertin.

Sua ideia era instituir no continente europeu um comitê que fosse capaz de organizar eventos esportivos. Como o continente europeu vivia uma época de muitos conflitos com países ascendendo a republicas, mudando seu tipo de governo, abraçando mais territórios e entrando em conflitos, uma era de paz e harmonia como as antigas cidades-estados gregas faziam pareceu ser de fato uma boa ideia.

(Um caminho para a paz – Olímpia – Grécia)

Pierre de Frédy, mais conhecido como Barão de Coubertin, foi o preceptor dessa nova era e em 1896 os primeiros jogos olímpicos, em moldes atuais, foram iniciados.

Se antes os jogos tinham um cunho religioso, hoje as religiões e sociedade entram em disputas saudáveis para que o evento possa ser sediado em um país que nada tenha a ver com gregos, franceses como o país do Barão de Coubertin, ou qualquer outro, e sim reunindo esse mundo globalizado e multicultural que vivemos.

(Olímpia – Grécia)

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: