A corrupção é um mal que deve ser combatido, e a Romênia faz parte do grupo de países que passou por isso, e não foi diferente durante o período comunista e o atual. A população que antes passava fome com uma porção de 1kg de açúcar ao mês, e meio pão por dia, agora vê pelo menos 10% de seu povo sobrevivendo em lixões. Os famosos ciganos romenos estão sumindo do mapa europeu, e sua reputação nada boa afeta também ao país com escândalos de corrupção.   

COMUNISMO NA ROMÊNIA

 São inúmeros os casos de países que se renderam ao comunismo na segunda metade do século XX, e um deles é a Romênia. De 1959 a 1989 o país ficou entregue a autocracia de Nicolae Ceausescu, e a partir da queda do mudo de Berlim viu a possibilidade de, enfim, confrontar o presidente. Foram mais de mil mortes somente na semana do confronto até o dia que a nação se mobilizou e logrou a vitória.

A história recente da Romênia pode ser contada a partir da década de 50 quando Nicolae Ceausescu assumiu o governo no pós-guerra e se manteve até o final da década de 80. No dia 22 de dezembro de 1989o autoritário comandante romeno inicia sua fala no Comitê Central do Partido Comunista, em uma das principais praças da cidade, onde acabara de voltar de uma viagem ao Irã e vinha acompanhando os desfechos que eclodiam pelo leste europeu para por fim ao comunismo. 

O ditador ao ouvir as vaias de seu povo em meio ao discurso, se espanta e resolve fugir. A feição de inúmeros romenos ao conseguirem sair do país e chegar a barreiras alfandegárias como a italiana promove o mesmo efeito, ou seja, a surpresa e a incerteza do que está por vir. A vida dos romenos nunca foi, nem nuca será fácil e os desafios não pararam na década de 80.

Bucarest – Nicolae Ceausescu

ROMÊNIA HOJE

Em 2018, manifestações tomaram as ruas da cidade de Bucareste onde mais de 400 pessoas ficaram feridas, segundo a polícia romena. E mesmo não sendo uma cena de filmes de ficção, a praça Vitória foi tomada por manifestantes que protestavam contra a corrupção, e contra atos do governo que buscavam dar mais autoridade aos governantes podendo até burlar a lei. Não parece muito distante do ocorrido com Nicolae Ceausescu, porém agora o romeno parece estar mais preparado para enfrentar e estimular o direito a escolha, ou, a democracia que foi tão custoso ao longo dos anos.

Uma ótima notícia para o país foi a entrada na OCDE (Organização para cooperação de desenvolvimento econômico), com apoio dos americanos, que também apoiam a Argentina, e deixa países mais bem estruturados como o Brasil para uma próxima oportunidade, e entrar para esse seleto grupo de países, é o mesmo que receber um selo de qualidade das contas públicas, o que pode gerar mais investimentos externos, como indica Leonardo Trevisan, professor de relações internacionais da ESPM.

IGUALDADE DE AÇÕES E REAÇÕES

Hoje as manifestações são mais coerentes em todo o país e muito mais conscientes, porém ainda não se viu uma vitória coletiva já que as forças que se unem contra o governo acabam se enfraquecendo ao longo do tempo. As frequentes polarizações nas redes sócias, a escolha de lados no judiciário, entre outros fatores disseminou o argumento de união por algum tempo e os fez cair por terra com a falta de preparo e verdadeira união.

Curtiu saber um pouco mais da Romênia?

Vem com a gente,

Equipe Guias & Trilhas.

1 comentário

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: