O nosso país vem passando por dificuldades há anos e o turismo sempre foi a promessa de salvação por grande parte de empresários e sorrisos amarelos de políticos. Por muito tempo me perguntei porque o Brasil não ia pra frente e com o tempo e mais experiência no ramo fui agregando valor a minha resposta.

Muitas pessoas e profissionais acreditam que o não desenvolvimento se baseia na falta de estrutura que nos é oferecido e ponto, mas se colocar na ponta do lápis a resposta pode mudar da água pro vinho.

Sempre digo que tudo é turismo e, na maioria das vezes, as pessoas se espantam quando dou os exemplos. Outro dia pedi a um amigo para me dar um item que ele considerava não fazer do turismo e eu mostraria a ele que sim fazia e tinha sua importância. Ele me disse que a produção de vegetais na área rural de Petrópolis no Rio de Janeiro não poderia ser considerada turismo, e foi exatamente aí que disse que esses produtos faziam parte da gastronomia da cidade imperial onde o número de turistas que visitam todo mês o polo gastronômico petropolitano buscam e primam pela qualidade, então essa produção fazia parte direta da economia local fortalecendo a gastronomia local e das redondezas.

E por que estou dando esse exemplo?

Uma das saídas para o melhoramento do turismo está no olhar dos locais e futuramente a boa vontade dos governantes, o que vou explicar mais adiante e por hora vamos nos concentrar aqui no olhar. Quantas vezes não vimos e visitamos um restaurante, ou vinícola, ou aquela fabriqueta de chocolate local? Foi de uma necessidade local que esse local aflorou e se tornou uma referência para os visitantes.

O que quero dizer é que o turismo se reinventa e para todo e qualquer lado que olharmos veremos o turismo em suas diferentes escalas, ou estamos nos esquecendo das águas de São Lourenço?

O projeto de são Paulo me parece ser o melhor exemplo de marketing dentro do turismo nacional. Já reparou que a cidade está sempre em movimento? Essa é a ideia. Esse tem que ser o projeto para o país e vem sendo negligenciado pelo governo. Mas você pode estar se perguntando sobre eventos nacionais que tivemos como a copa do mundo. Nossa estrutura é muito pouco explorada, e veja bem que temos uma geografia muito favorável.

Como que perdemos para países como Peru, Croácia, Hungria e outros países pequenos sem tantos recursos como o nosso, é uma indagação que devemos fazer e cobrar. Para o profissional do turismo que se preza essa deve ser a pergunta que merece uma resposta o mais rápido possível.

Guia especializada na Croácia.

Podemos nos apegar ao discurso do novo presidente na suíça com promessas de uma reestruturação, mas vamos a alguns pontos:

Como que a violência pode ser mais vista lá fora do que os eventos culturais da cidade do Rio de Janeiro? Vou contar um caso que me aconteceu uns anos atrás quando ainda trabalhava embarcado em navios de cruzeiros. Um passageiro inglês me perguntou como seria a copa do mundo e se estávamos animados, e minha resposta foi incisiva. Disse a ele que curtisse o evento da melhor maneira, afinal estávamos falando de um mundial, mas que ele prestasse bastante atenção ao pós copa. Ainda me pergunto se ele seguiu minha dica e viu todos os casos de corrupção e desvios de dinheiro público que vieram à tona.

Deixando os escândalos de lado, temos a infraestrutura de portos, estradas e pasmem, as empresas estrangeiras mal sabem do que o Brasil pode oferecer. O turista chega a São Paulo com uma programação pré definida e se tiver uns dias de folga podendo viajar, sem dúvida posso garantir que Morro de São Paulo não foi apresentado, ou uma visita ao Rio de Janeiro com possibilidade de conhecer Petrópolis, cidade imperial. Isso é culpa do empresário? Bem, se não pararmos para analisar e cobrar isso passa a ser também culpa do profissional de turismo.

Esse porto fica em Kotor, mas toda a Croácia está adaptada para esse tipo de embarcação.

Para quem já pode viajar para fora do país, sabe que sinalização e profissionalismo é muito bem explorado por países de ponta quando se trata de turismo. Convido a vocês a conhecer países pequenos como Croácia e Bósnia. Isso mesmo esses países que há muito pouco tempo viviam uma guerra de separação da antiga Iugoslávia, e que hoje tem um papel super importante e tem como base de economia o turismo.

Um pouquinho da Bósnia e sua pureza

 Os croatas dão um show no Brasil com placas em (Iugo) eslavo e inglês, guias especializados falando inglês e português (exemplo de línguas faladas apenas), com cidades sendo usadas para filmagens de grandes produções como Game of Thrones, parques naturais com uma estrutura fenomenal como os Lagos de Plitvice com suas mesinhas de camping e barquinhos que levam os turistas de um lado a outro, isso sem contar os ônibus modernos fazendo o caminho mais árduo para quem não quer fazer todo o trajeto por trilhas. Tem curiosidade de saber mais sobre Croácia e Bósnia, leia os artigos e dicas que trouxemos em outra ocasião. Resumindo, precisamos de estrutura para podermos chegar lá fora respaldados. De nada adianta promessa se nosso dia a dia seguir sendo mais do mesmo. Nosso maior medo aqui no Guias & Trilhas é que o Brasil siga sendo uma eterna promessa.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: