Patzcuaro

Uma cidade linda, pequena, mas que aparece cheio de mistérios. Dona de uma elegância única por vezes parecida com Tiradentes em MG, tem como principal atrativo sua arquitetura colonial. O trabalho manual que toma todo país é muito bem explorado em diferentes áreas como prata , cerâmica, escultura em madeira , cobre entre outras. Lembro de ter passado em frente a uma loja tipo quitanda, e ter visto uma mesa de madeira talhada toda colorida e que contava um pouco da historia da cidade, e que futuramente viria a ser Patrimônio da Humanidade pela UNESCO.

(Essa mesinha conta bem a historia da cidade de Patzcuaro)

O que a pequena mesa não contava é a historia de Vasco de Quironga, o primeiro bispo da região e que ficou marcado por ter ido de frente com a coroa construindo hospitais, escolas e um imenso trabalho social. Seu legado foi um aglomerado de vilas e cidades próximas, cercadas de lagos e uma beleza que enche os olhos de quem passa pela região. Só na cidade pude conhecer 3 igrejas e a famosa historia do relógio do rei.  A cidade é baseada em duas praças, a primeira onde tem um busto de Vasco de Quironga, e a segunda a esquerda com o mercado de artesanatos. Na primeira ao fundo vale a visita a biblioteca, muito rústica e bem adaptada ao local.

(Uma das igrejas da cidade)

Entre uma e outra já ao encontro de uma terceira igreja, estão as casas de cambio tão desejadas por todos os turistas. Lembro de três em toda a cidade e que disputam entre elas o menor preço para cambio. Então se puder trocar dinheiro antes de chegar a cidade não irá se arrepender.

Passar uma noite e tentar desfrutar desse ar pitoresco dessa cidadezinha infinitamente intrigante faz com que eu queira voltar o quanto antes. Nessa região acontece um evento inacreditável, parece mentira, mas no mês certo se pode ver a migração das borboletas monarcas. Elas migram para essa região por conta do clima ameno e a proximidade com o Canadá, são tantas que há uma lei que impede que as mate ou que vá mais que uma velocidade pré-estipulada. Dão um show no céu mexicano e no chão também, em alguns lugares é possível ver fotos desse evento magnífico da natureza.

No caminho para Patzcuaro parei em uma cidade chamada SANTA CLARA DEL COBRE. Essa pequena cidade a cerca de meia hora de Patzcuaro é muito conhecida por sua beleza das casas e prédios de médio porte pintadinhos todos da mesma cor. Claro que não é só isso, e sim porque a cidade guarda os melhores mestres do cobre. Entramos numa das muitas lojas e descobri que  havia nos fundos da loja (e era uma loja grande), um quintal e que nesse quintal havia uma área própria para se trabalhar o metal.

(Trabalho em bronze em Santa Clara del Bronze)

Eles dão um show a parte na hora de fazer o demonstrativo, e as peças que saem dali são maravilhosas. Os preços não são tão maravilhosos assim, pelo menos não para mim que saio a trabalho e não a lazer. Mas as meninas (chamo assim as senhoras numa maneira mais carinhosa), que sempre param nas lojinhas adoraram e levaram muita coisa. Essa sem dúvida é uma cidade que merece a parada e a visita, pois fica evidente a destreza dos mestres que tem que comprar o metal já que não produzem na cidade.

(Um pouco do trabalho dos mestres do cobre)

 

 

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: