Nada como começar um trabalho com uma das cidades mais charmosas em que já estive, repleta de historia, cultura e de uma beleza natural única. Situada na Hungria, terra dos antigos celtas, tomada por romanos e otomanos, fez com que os húngaros se tornassem um dos povos mais fortes de toda a Europa. Sendo uma das cidades citadas como destino certo de boa parte de turistas, ela recebe anualmente cerca de 4 milhões de visitantes. Todos que se dirigem a cidade buscam saber um pouco mais sobre o mistério dos magiares, fundadores do pais em 896 D.C. Porém a cidade em si só foi fundada, ou melhor, estabelecida como cidade em 1873 após disputas de poder entre os impérios Húngaro e Austríaco. O nascimento da primeira parte da cidade originou-se no final do século I. A cidade foi então estabelecida às margens do rio Danúbio e aos pés da montanha de Buda no meio do século XIII. Com o tempo, peste cresceu, e em meados do século XIX enfim unificou-se as três partes da cidade mais charmosa do leste europeu.

magyar

(Magyar – atualmente os Húngaros)

Dessas três divisões as mais conhecidas são Buda e Peste, muitos se perguntam se Peste tem haver com algum tipo de doença que tenha assolado o país em algum tempo determinado da historia. Não, não foi. Por isso essa parte da cidade leva esse nome. Peste é nomeada assim por significar fogo. Nessa metade da cidade se encontrava a classe operaria, e muitos fornos ali funcionavam, sendo assim fogo ou peste delineavam esse lado da cidade. E Buda então, qual seu significado? Em Buda se encontram as cadeias montanhosas. Abundantemente cercada de área verde e muita água, seu significado então é água. Entretanto, Budapeste é mundialmente conhecida pelas suas fontes de águas termais. Milhões de litros de água borbulham sob o solo Húngaro, e ironicamente as mais conhecidas fontes onde se encontram os spas estão no lado de Peste.

Após um dia longo conhecendo todos os atrativos da cidade, nada mais reconfortante que um banho termal. Uma dica, a maioria das termas exige que seus frequentadores utilizem uma touca de banho. Isso não é destacado nem avisado antes, por isso toda a atenção para desfrutar do dia é valida. A entrada em sua maioria custa por volta de 20 euros, massagens, toalhas e serviços extras também costumam ser cobrados separadamente.

A historia do império começa no inicio do século XIX, quando Áustria e Hungria resolvem unir forças. Muitas revoluções tornam o império difícil de ser controlado principalmente durante a revolução de 1848 onde o povo magiar se sentia renegado perante a parte austríaca. Para assegurar a tranqüilidade em ambas as partes, o povo húngaro aceita então a coroação de Francisco José, elevando a cidade de Budapeste ao nível de Viena. Francisco José foi casado com Sissi, e que na verdade como de costume para a época, tinha seu casamento determinado com a Irma da futura imperatriz. A parte romântica da historia é que quando a viu se apaixonou e mudou a vida da jovem menina. Sissi, aclamada por húngaros, por ter trazido um elo forte entre austríacos e húngaros, tinha uma residência próxima a capital onde se hospedava para tratar de sua saúde que era muito frágil, e aproveitava para fugir um pouco de todo aquele mundo que não lhe pertencia. Assim como de costume apreciava viajar, e em uma de suas viagens agora a Genebra (Suíça), foi assassinada por Luigi Lucheni em 1898. Tão conhecida foi alvo de diretores de cinema e teve um filme em sua homenagem. Impossível passar pelo país e não escutar seu nome.

ponte de francisco josé

(Ponte de Francisco José)

Passeando pelas ruelas da cidade encontra-se inúmeras casas e construções do século XIX. Uma boa parada para fotos é no mirante já no lado de Buda. A subida é muito árdua, então a melhor opção seria tomar um táxi/uber. Em Budapeste não são caros, mas uma dica e que sempre será dita em qualquer um de meus textos será : “…FAÇA, MAS SEMPRE EM UM HOTEL, OU EM LOJA…” Sempre será mais seguro e se você tiver um mapa da cidade em mãos poderá se direcionar melhor. Muito próximo do mirante, mas ainda assim de táxi/uber, é possível a ida ao “bastião dos pescadores”, onde se encontra também a igreja de Mathias, um rei que teve seu apogeu no século XIII, e que também conta com uma vista maravilhosa. Uma igreja repleta de vitrais e com órgãos que dão um espetáculo a parte. As visitas são diárias e se paga apenas para entrar na igreja, aproximadamente 5 euros.

A vista do bastião parece mesmo um castelo de areia, e foi construído em homenagem as 7 tribos magiares que ajudaram na fundação da nação húngara. Na descida, uma sugestão valida é descer pelo funicular. Uma descida rápida é verdade, mas com uma visão panorâmica das principais pontes da cidade e da ilha da Margarita as margens do rio Danúbio. Saindo pelo funicular, verá a ponte das correntes, com seus imponentes leões. Reparem que falta uma parte importante do leão. Sua língua. A lenda diz que o projetista quando viu, subiu ao ponto mais alto da ponte e tentou o suicídio, porém foi detido por uma linda jovem que o salvou de um desastre. Da ponte das correntes se pode ver a ponte de Sissi e Francisco José. Esse seria um roteiro bom para o primeiro dia…

bastiao

(Bastião dos Pescadores)

Acordando pela manha, os hotéis costumam oferecer café da manhã. Mas uma boa pedida, bem o preço é um pouco salgado e sem duvida nenhuma é o “new York café”, com uma decoração e ambiente que pôs a cafeteria entre as 10 mais na Europa, vale a visita. Vale a parada e um café. Junto a cafeteria esta o Boscolo Hotel, maravilhoso. Lembro que quando entrei parecia estar me transferindo para outra época. Após o café da manhã, se não estiver muito longe vale a pena uma caminhada até a praça dos heróis.

Café New York em Budapeste

Considero uma visita, não diria obrigatória, mas pelo menos para saber um pouco mais sobre a historia recente de um pais que sofreu muito no entre guerras. Uma praça dedicada aos seus heróis e lideres magiares. Em frente um “tumulo”, esse tumulo representa a perda de território dos húngaros como sanções de guerra. Perderam num total quase 80% de seu território, e que hoje se aproxima ao tamanho de Portugal. Bem após esse passeio de uma boa dose de cultura e belas fotos, aconselho a seguir em direção ao parlamento.

praça dos herois

(Praça dos Heróis)

Ali tudo é muito perto. Como o parlamento sofre com diversas trocas de horário, antes de sair do hotel perguntem como será o dia, para que não tomem nenhum susto. Muito próximo, esta o mercado da cidade, em um prédio baixo de dois andares as margens do rio, riquíssimo em especiarias e lugares bons para uma refeição a preço aceitável. Não se assustem com o prédio que fica ao lado. Olhando de longe parece uma baleia, e a prefeitura ainda não sabe o que será feito da edificação. Linda hiper moderna, porém sem utilidade.

mercadão e as paprikas

(Mercadão da cidade, sempre cheias de paprikas)

Em frente ao mercado atravessando a rua vem o calçadão. Uma caminhada ate o outro lado mostra bem a variedade de restaurantes na cidade. Tenho amigos que vão a Budapeste e preferem comer fazendo compras de mercado. Budapeste não é uma cidade barata. Do outro lado do calçadão esta uma das docerias mais famosas da cidade, Gerbeaud. Parem e comam algo de sobremesa. Sem duvida não irão se arrepender. Para finalizar, sei que nem todos são fans de opera, mas a opera da cidade é hiper famosa e é composta por ciganos que levam a tradição de geração em geração, no hotel você consegue transporte e entradas. Uma ultima dica dessa cidade que sou fascinado. Um passeio pelo rio Danúbio, e você poderá ter a possibilidade de deslumbrar uma vista a noite da cidade toda iluminada.

Um pouco mais da cultura Húngara

(clique para ver um video em um dos melhores restaurantes da cidade)

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: